Estágio Supervisionado II Ensino Fundamental. Por Luciano Maia

 

 

 

CURSO DE PEDAGOGIA

 

 

DISCIPLINA: ESTAGIO SUPERVISIONADO II

 

 

PROFESSORA: REGINA JANSEN

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ENSINO FUNDAMENTAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FRANCISCO LUCIANO ALVES MAIA

 

PACOTI - 2011

 

 

 

 

FACULDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU

CURSO

PEDAGOGIA

 

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ENSINO FUNDAMENTAL

 

 

"NÃO CORRA ATRÁS DAS BORBOLETAS, PLANTE UMA FLOR NO SEU JARDIM E TODAS AS BORBOLETAS IRÃO ATÉ ELA." (D. ELHERS)

 

 

                       

 

Relatório do Estagio Supervisionado, apresentado à disciplinsa de Estágio Supervisionado II, do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA. Efetuado na Escola Municipal Eneias Hortencio Silveira como requesito para obtenção de notas e creditos e sob a orientação da Professora: Regina Jansen.

 

 

 

 

 

 

PACOTI CE

2011

 

 

INTRODUÇÃO 4

1 - IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA.................................................. 6

  • 1.1 - Dados de identificação da escola (Diagnóstico)............. 6
  • 1.2 - Estruturas física e organizacional da Escola................... 6
  • 1.3 - Estruturas Currículo escolar .........................................6
  • 1.4 – Análise do planejamento escolar. ................................7
  • 1.5 - caracterizações do estágio.......................................... 7
  • 1.6 - Atividades de docência............................................... 8
  • 1.7 - Análises reflexiva ......................................................9
  • 1.8 - Relatórios de entrevistas com docentes ......................10

2 – PERIODO DE REGÊNCIA ........................................................ 12

  • 2.1 – Plano de aula ..........................................................12
  • 2.2 – Descrição das cinco atividades ...................................18
  • 2.3 – Descrição da reação e participação dos alunos. ............19
  • 2.4 – Descrição da reação do professor regente................... 20
  • 2.5 – Descrição da participação da equipe ao aplicar as atividades .......................................................................................20
  • 2.6 – Auto avaliação da equipe durante o estágio................. 20

3 – CONSIDERAÇÕES FINAIS....................................................... 20

4 – BIBLIOGRAFIA .....................................................................22

5 – ANEXO .................................................................................23

  • 5.1 – Roteiro de entrevistas. ..............................................23
  • 5.2 – Outros documentos que queriam incluir no anexo........ 26

 

 

 

  INTRODUÇÃO:

            O presente estágio de docência no Ensino Fundamental, na escola Eneias Hortêncio  tem como objetivo, observar como se desenvolve o ensino em sala de aula, de que maneira a professora conduz a aprendizagem, como se processa a apreensão do conhecimento pela criança. Objetiva ainda analisar como é a intercâmbio dos alunos com a professora e vice versa, dos alunos entre si e com o ambiente no cotidiano escolar.

            O mencionado estágio é de suma importância para instrumentalizar o estudante de Pedagogia e futuro profissional da educação, para que o mesmo se familiarize com a prática da sala de aula, conviva com os alunos e professores e habituem-se ao ambiente escolar com seus problemas, desafios, dificuldades, mas também repleto de alegria, satisfações, realizações e, sobretudo, cheio de crianças e jovens transbordantes de vida e vontade de aprender.

            Serão desenvolvidas as atividades de observação participativa com os alunos da 4º ano do Ensino Fundamental da Escola Enéias Hortêncio Silveira.

Como é do conhecimento de muitos, o Ensino Fundamental, vem sofrendo grandes mudanças nos últimos anos, exemplo disso é a recente implantação do Ensino Fundamental de 9 anos, em que as crianças com seis anos devem frequentar 0 2º ano. (Lei federal; 11.274 de fevereiro de 2006) com isso as crianças estão vindo para a escola cada vez mais cedo. Tanto educação quanto escola enfrentam, também imensos desafios com os admiráveis progressos tecnológicos e descobertas científicas que surgem a cada dia e que transformam nossa sociedade de maneira vertiginosa, mudando valores, atitudes e costumes. As alterações no clima do planeta, que motivam informação e esclarecimento para que a humanidade possa reverter o grave quadro que se apresenta e que somente o homem poderá reverter. E ainda a violência nas escolas e igualmente na sociedade como um todo.

Nesta todo, a criança chega ao 2º ano, na maioria das vezes já alfabetizada e com uma imensa variedade de subsídios e informações, adquiridas, dentro do ambiente familiar, na comunidade em que está inserido, pela mídia e por que não dizer pela Educação Infantil, logo não é mais aquele individuo que ao chegar no 2º ano tudo era novidade e descoberta.

Dai a necessidade que este individuo tem de ter um educador bem conhecedor, informado e preparado para ministrar conteúdos e ser capaz de atender as exigências de um ensino moderno e atualizado, em um mundo globalizado e informatizado, que acorde o interesse e a vontade da criança a moldar-se de novos informação e experiências positivas, que este venha a ser um individuo ativo na descoberta de saberes, valores e lições de cidadania, as quais o acompanharão por toda a vida, transformando-o em cidadão culto, consciente de seus direitos, e deveres. Sabendo coexistir e acatar a heterogeneidade, o caráter e possa fazer pleno uso dos meios de informação e tecnologias disponíveis.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

01 – PERÍODO DE OBSERVAÇÃO

 1.1- Dados de identificação da escola (Diagnóstico)

NOME: Escola Municipal de Ensino Fundamental Enéias Hortêncio Silveira - Cidade de Pacoti (Ceará)

 

ENDEREÇO: Rua João Hipólito s/n, centro.

Cidade Pacoti CE. 

 CEP 62.770-000.

MODALIDADES DE ENSINO:

 Educação ensino fundamental ate o quinto ano.

 

ÓRGÃOS AUXILIARES DA ESCOLA: Círculo de Pais e Mestres, Conselho Escolar.

1.2 – Estruturas física e organizacional da Escola

            A estrutura física da escola é boa, as salas são amplas, com carteiras e cadeiras apropriadas, armário para guardar materiais e quadro verde. O material necessário para o andamento das aulas parece ser suficiente e adequado, a equipe diretiva da escola procura sempre suprir as necessidades materiais da escola, Existem algumas dependências para realização de atividades tais como: pátio para prática de educação física, laboratório de informática equipado com 4 máquinas, biblioteca, sala de educadores, salas administrativas (secretaria, sala da direção, coordenação, almoxarifado,) cozinha com todos os equipamentos e utensílios necessários.

1.3 – Estruturas Currículo escolar

            A Escola Municipal de Ensino Fundamental Enéias Hortêncio Silveira segundo o que ser ouviu nas entrevistas extras e conversas indagatória é uma escola identificada com o processo de construção de uma sociedade mais justa. Como um ambiente em que a prática pedagógica é entendida como um estágio de vida, de todos e com todos, na esperança de formar cidadãos e cidadãs que unifiquem e colaborem para sua comunidade. Uma escola democrática, competente e empenhada com a aprendizagem significativa do aluno, buscando transformar informações em conhecimentos necessários à vida dos discentes.

            A entidade possui atualmente, 330 alunos, matriculados nos dois turnos de funcionamento, 22 professores, 6 funcionários administrativos, englobando secretários, auxiliares e monitor.

            São desenvolvidos na escola, os seguintes projetos: educação para vida, folclore, Informática na Educação, dentre outros.  Participam desses projetos todos os alunos.

            A avaliação é quantitativa,  qualitativa e continua, através de diagnósticos precisos.

 

1.4 – Análise do planejamento escolar.

Observou-se que há uma preocupação e atenção quanto ao planejamento escolar por parte da gestão, já que é deste que partem os encaminhamen­tos gerais para a organização do trabalho educativo. A elaboração do planejamento é iniciada no Projeto Político Pedagógico, apesar de este ainda encontra-se ainda  em faze de construção como já mencionado anteriormente, todavia a gestão já tem todo os norteadores da construção do mesmo motivo pelo qual os planejamentos já podem ser considerados constituído com base no PPP da escola a partir do momento em que a própria escola se utiliza de sua autonomia para fundamentar as metas e objetivos que pretende alcançar. 

Observou-se ainda que é forte a tentativa de trabalhar com temas geradores por meio da metodologia de projetos. Também, o trabalho com projetos depende da intenção e da motivação de cada professor, cabendo a este a escolha do tema, a definição de datas para início e fim e a forma como o produto final será apresentado à comunidade escolar. Tantas formas de trabalhar um mesmo tema compreendem que a não participação na construção de todo o processo do planejamento geral da escola pode gerar uma falsa autonomia que, por sua vez, pode gerar uma educação na qual cada um faz o que deseja.

 

1.5 - caracterizações do estágio

            A clientela atendida pela escola é bastante diversificada, principalmente na idade que começa com 06 anos até aproximadamente 12 anos. A maioria dos alunos é de famílias de baixa renda, apresentando algum índice de problema, problemas esses adquiridos no seio da família como a questão de alcoolismos, agressões, drogas dentre outros. Aumentando assim outros tipos de violência, com o próprio comportamento agressivo do aluno em sala de aula dificultando assim ainda mais o trabalho do educador.

            Quanto às atitudes em sala de aula, os problemas são comuns como em todas as escolas, problemas de indisciplina, desrespeito entre colegas, distração e desprendimento; para tentar solucionar estas dificuldades, a entidade faz uso de meios diversos que estão à disposição da escola, em sua maioria com pouquíssimos resultados positivos, em sua grande maioria os problemas iniciam no convívio familiar, mesmo porque parte dos alunos vivem em um meio violento, ou mesmo na ausência de perspectiva para o futuro, uma vez que a cidade não possui emprego para receber a grande demanda de jovens que se formam todos os anos.

 

1.6 - Atividades de docência:

            Realizei observação participativa no 4º ano B, do Ensino Fundamental turno Vespertino. A referida turma possuía no início do ano letivo 35 alunos matriculados, e mantém essa mesma quantidade de alunos frequentando, na faixa etária de 06 aos 12 anos. Todos residem no bairro da escola ou nos bairros vizinhos.

            Quando cheguei para realizar a observação fui bem recebido pela professora e pelas crianças. A aula inicia às 13h e 00min e termina as 17h e 00min.

Observei que a professora tem ótimo domínio da turma, conduzindo a aula com organização e firmeza e com atividades que favorecem o aprendizado.  Seus métodos são construtivistas mesclado ao tradicionalismo e rígidos, pude observar que está aberta a novidades e mudanças com facilidade.. Ela já tem mais de 12 anos de experiência no Magistério, passa uma sensação de segurança e tranqüilidade, próprios de quem conhece seu ofício e o desempenha com gosto e responsabilidade. Nota-se que sente enorme prazer em ensinar. Preocupa-se muito com as dificuldades de aprendizado de seus alunos. Mesmo sendo um pouco tradicional e rígida busca formas diferenciadas de motivar os educandos.

A turma é bastante agitada, precisando estar ocupada o tempo todo com atividades. A professora é muito insistente e exigente, durante a aula. Fala o tempo todo que é necessário dar um “durão, nos mais atrasadinhos”.

  Existem também, problemas de indisciplina e pequenas brigas entre as crianças, que logo são resolvidas com firmeza pela professora. Alguns exigem mais atenção e cuidados. A turma também possui um aluno com um déficit de atenção e que ainda não foi diagnosticado qual o real problema, acontece que este aluno dificilmente vem à aula.

A sala de aula é bastante ampla e confortável, com boa iluminação e ventilação. Possui ainda mobiliário adequado, armário para guardar materiais, mesa para a professora, mesas e cadeiras de tamanho padrão a todos os alunos. Nas paredes da sala estão expostas as produções de textos e desenhos realizados pelos alunos durante o semestre, Também um alfabeto de cor única (amarela) contendo apenas as consoantes e com os espaços devidos referentes às vogais, encontrar-se colado acima do quadro.

No dia em que realizei a observação participativa, a professora apresentou-me aos alunos, explicou porque eu estava ali e iniciou sua aula normalmente, com uma leitura oral do professor, leitura oral do aluno, contextualização da leitura e compreensão da leitura.

Em ato contínuo, a professora leu para os alunos um texto, O Consumo Consciente. Os alunos escutaram interessadíssimos, e em silêncio.

Assim que acabou de ler, comentou o texto com os alunos e os desafiou a escreverem o que eles entenderam do texto, o que aprenderam.

 Todos leram ou tentaram ler, pois alguns ainda não estão totalmente alfabetizados.  A professora encorajava os alunos e ajudava pedia ainda que alguns coleguinhas que já haviam acabado de resolver que ajudasse o amiguinho, porém sem dar suas opiniões deixando que o colega expressasse seus próprios pensamentos já que era bem pessoal.

A professora continuou explorando a história com exercícios de completar palavras etc., até a hora de irem para a merenda e após, tiveram 10 minutos de recreio.

Quando retornaram do recreio continuaram as atividades que ainda não haviam terminado boa parte da sala.

 

1.7 - Análise reflexiva

            Quando soube que teria de realizar o Estágio Supervisionado, novamente, não me preocupei muito, pois para mim seria apenas mais um desafio a enfrentar, pois o que vivencie no estágio anterior foi muito gratificante, além de cumprir o estágio participei ativamente das atividades da aula, fiz novas amizades e posso dizer que, cada vez mais supero o receio que tinha de enfrentar uma classe repleta de alunos.

            Tenho que reconhecer que não foi mérito somente meu, pois a acolhida que tive na escola me deixou bastante a vontade para realizar as atividades necessárias.

            Mas apesar de já não ser novidade, tive a oportunidade de perceber que cada estágio é uma experiência diferente, novas situações se apresentam, novos problemas surgem e também novos questionamentos.

            Confesso que agora o que me preocupa é decidir se quero ou não exercer este oficio, a que estou em fase de conclusão. Também me angustia muito pensar se eu conseguirei ser um profissional que não frustre as expectativas de meus alunos.

            Mesmo não sendo tudo perfeito, devido a minha inexperiência, só tenho a agradecer a escola e a professora da turma em que realizei o estágio.

            Percebi que ser professor, não é algo fácil, que tem que ter vocação, tem que haver uma boa preparação, que nem sempre o Curso Superior proporciona. É necessária, também a prática e a pesquisa para formar um bom professor, seguro e consciente, que proporcionará aos seus alunos aprendizagens significativas e prazerosas.

            No que se refere à interação com a equipe escolar, foi uma experiência muito boa, tive atenção e respaldo ao meu pedido de estágio, até pude sentir que foi oportuna a minha presença, pois me disponibilizei a ajudar em outras tarefas da escola, procurando dar um pouco de mim, não só pedir.

            Mas a melhor parte foi a convivência com os alunos, apesar de muitos não terem limites e devido ao meio em que vivem muitas vezes são até mesmo agressivos entre eles, foi muito bom trabalhar com eles, fazer parte de suas vidas. Tive um bom relacionamento com todos, fiquei até mesmo comovida com o carinho que demonstraram comigo.

            A professora, apesar de sua conjectura mostrou-se atenciosa e educada, facilitando muito o meu estágio, só tenho a agradecer.

            Percebo também que a equipe diretiva da escola, procurou aproveitar a minha disponibilidade para por em prática seus projetos, o que para mim foi muito bom, procurei dar o melhor de mim e aproveitado o máximo possível as oportunidades. Aqueles momentos me proporcionaram convívio com os alunos e professores enriqueceram meus estágios e possibilitaram que eu pesquise a escola, entenda como tudo funciona na prática, no dia a dia do ambiente escolar.

 

1.8 - Relatórios de entrevistas com docentes

Foram entrevistados três professores e um gestor escolar. Sendo que todos os professores inclusive o gestor são graduados em Pedagogia e possuem também Pós-graduação e especialistas em algumas áreas distintas; tais como: Braille, Historia dentre outras. No caso da Diretora, esta além de graduada em Pedagogia é pós-graduada em Gestão escolar.

            Em relação a tempo de atuação nas suas devidas funções encontramos profissionais com 24 anos de magistério, outros com 12, outros com 15 e sucessivo.

As principais dificuldades apontadas por estes profissionais foram, a falta de interesse por parte dos educando, por parte também da família; outros abordaram a questão da falta de recursos financeiros e a falta de compromisso de alguns profissionais.

Apontou ainda como vantagens desse ofício, a alegria de fazer parte do mundo da leitura e da escrita de seus alunos. A chance que estes (professores) teem de estar aprendendo a cada dia e trocando experiências com seus alunos. Uma professora ainda citou: “A felicidade não tem preço, o olhar dos meus alunos já me dizem tudo a satisfação por já estar dominando o mundo mágico da leitura e da escrita, a vantagem é essa de você fazer parte da vida estudantil daquela criança e que estar contribuindo para o seu desenvolvimento”.

Preguntado na questão do efeito de seus trabalhos sobre o desenvolvimento integral da criança, unanimemente responderam que sim, que acreditam neste desenvolvimento integral da criança, pois, se não acreditassem com certeza não estariam no magistério, e ainda porque teem muito amor pelas criança e sua profissão.

Indagado se faziam uso do lúdico em suas praticas pedagógicas, responderam que sim, uma vez que para que o desenvolvimento da criança seja satisfatório, é importante que ela seja estimulada, através de atividades dirigidas, livres e recreativas, que contribuam efetivamente em cada etapa evolutiva.

Expuseram ainda que a escola proporciona atividades que favorecem a autonomia da criança; tais como: jogos direcionados, atividades extra sala, brincadeiras direcionadas e a culminância dos projetos onde cada professor fica responsável por um tema que vai desenvolver junto com os alunos, este momento é muito importante, pois, cada sala apresenta para as turmas de maneira clara e criativa o que eles aprenderam.

Perguntado sobre o planejamento da escola responderam que é feito de forma individual, por serie e mensal.

Com relação a alguns questionários feitos a Gestora para a qual tiveram questões direcionadas a função de gestão.

Quanto ao Projeto Politico Pedagógico da Escola a mesma declarou que o PPP da escola esta em fase de construção, segundo a mesma está na terceira fase.

Perguntado sobre o verdadeiro papel do gestor e ou coordenador na instituição de ensino infantil esta falou que é estimular a todos, buscando melhores condições de trabalho, proporcionando meios que facilitem o processo de leitura e escrita. Esta declarou ainda que quanto ao planejamento escolar, este é realizado pela coordenadora escolar ao final de cada mês, quando são planejadas as atividades do mês seguinte. E o falou ainda que a proposta utilizada na elaboração da proposta pedagógica da escola é a Proposta Didática para Alfabetizar Letreando, Lendo você Fica Sabendo e o Projeto Letra Mundo. A Coordenadora nos relatou que não só a escola em questão mas todo o município de Pacoti teve um grande avanço diante estes projetos hora citados, já que hoje os professores estão fundamentados no que fazem e para que fazem, coisa antes não era assim, faziam sem saber o que nem para que.

Terminado achamos importante lançar outras questionamentos que seriam importantes e lhe foi questionado qual a necessidade de um coordenador pedagógico dentro da escola; esta respondeu que é de fundamental importância um coordenador na escola, pois é ele quem acompanha os trabalhos dos professores na sala de aula , subsidiando os mesmo para a melhoria do ensino aprendizagem.

Perguntamos ainda se é possível realizar um processo de ensino e aprendizagem sem planejar, esta falou que não, pois todas as ações da escola devem ser planejadas com muito cuidado.  E perguntamos ainda qual a relação entre o planejamento e o Projeto Político Pedagógico e se é possível fazer um planejamento sem conhecer o Projeto Politico Pedagógico da escola. Ela nos afirmou que tanto o planejamento como o PPP são documentos que se deve fazer coletivamente, partindo de como estamos para se chegar ao objetivo desejado, ambos os documentos estão sempre sendo renovados e declarou ainda que só se pode planejar com o conhecimento do PPP.

 

2 – PERIODO DE REGÊNCIA

De 21 à 25 de novembro de 2011.

2.1 – Plano de aula

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO:
Escola:  Escola municipal de ensino fundamental Enéias Hortêncio Silveira
Disciplina: Ciências
Ano: 4º  Turma: B

Turno: Vespertino 
Prof.  Luciano Maia
Plano de Aula de Ciências
2. CAPACIDADE REFERENCIAL: (Objetivo Específico) 
•Compreender a organização funcional do meio ambiente, caracterizando os componentes da natureza e analisando a diferença entre seres vivos e seres não vivos.

3. OBJETIVOS OPERACIONAIS. (Objetivos Gerais) 
•Conceituar meio ambiente;
•Distinguir os componentes da natureza;
•Analisar a diferença entre o ser vivo e o ser não vivo;

4. CONTEÚDOS CONCEITUAIS E ATITUDINAIS ASSOCIADOS: 
•Conceituais: Meio Ambiente: o ar, a água, o solo, a luz do sol, as plantas e os animais.
•Atitudinais: Interesse pelo conhecimento e pela compreensão dos conteúdos.

5. CONHECIMENTOS PRÉVIOS: 
•Informações a respeito do ambiente em que o aluno vive.

6. PROCEDIMENTOS DE ENSINO: 
•Projeção em vídeo do filme: "Natureza e Vida", que será utilizado para iniciar a discussão sobre conceito de meio ambiente que cada aluno possui;
•Dividir a turma em 6 grupos, onde cada grupo ficará responsável por abordar um dos componentes da natureza (ar, água, solo, luz do sol, plantas e animais) explicando sua importância na vida dos seres vivos.
•Desenhar o meio ambiente em que o aluno vive;
•Exposição de cartazes elaborados pelos alunos retratando os seres vivos e não vivos;
•Proposição de exercício no livro didático;
•Para encerrar será feita uma revisão de tudo o que foi discutido e visto nesta aula;

7. RECURSOS: 
•Livro didático, DVD, TV, cartolina, piloto, lápis de cor, lápis, borracha, caderno, cola, figuras para ilustrar o cartaz e outros.

8. AVALIAÇÃO: 
•Será realizada após observar a coerência entre as respostas dadas no exercício e o que foi discutido em sala de aula; e a participação nas atividades propostas e os objetivos operacionais.

9. TEMPO PREVISTO: 
•04 aulas - h/a.·.

 

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO:
Escola:  Escola municipal de ensino fundamental Enéias Hortêncio Silveira
Disciplina: Matemática
Ano: 4º  Turma: B

Turno: Vespertino 
Prof.  Luciano Maia
Plano de Aula de Matemática

Objetivo 
Utilizar critérios apoiados nas regras do nosso sistema de numeração para comparar números de até três algarismos. 


Conteúdo 

Ordenação. 

Anos 
3º e 4º.

Tempo estimado 
3 ou 4 aulas 

Material necessário 
Para cada dupla de alunos, três cartões de 7 x 10 centímetros, com algarismos diferentes (por exemplo: 5, 8 e 1). 
12 cartões em branco.

Desenvolvimento 
1ª etapa 
Distribua os cartões e peça que as crianças montem números de dois ou três algarismos sem repeti-los (elas podem chegar a 12 no máximo) e anotem cada um deles em um cartão em branco. É possível que as crianças comecem as combinações pelos números de dois algarismos e depois parem, achando que as chances estão esgotadas.

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO:
Escola:  Escola municipal de ensino fundamental Enéias Hortêncio Silveira
Disciplina: Geografia
Ano: 4º  Turma: B

Turno: Vespertino 
Prof.  Luciano Maia
Conteúdo: Meio ambiente
Ano de ensino: 4º ano
Tema: A ação do homem que prejudica a natureza e as suas consequências.

Plano de Aula de Geografia

Objetivo: 
Compreender quais são as ações prejudiciais e quais consequências geram em nosso planeta.

Material: 
Folha sulfite, lápis, borracha, lápis de cor, giz de cera, papel cartaz, cola, tesoura, filmadora ou câmera fotográfica, microfone.

Conhecimento prévio:
Compreender que muitas ações do homem na natureza geram consequências ao meio e ao ser humano. 

Atividade motivacional: 
Instigar os alunos quanto às ações do homem que podem prejudicar a natureza e quais medidas podemos tomar para amenizar os problemas existentes.

Conversar com os alunos sobre que medidas podemos utilizar para amenizar os impactos ao meio ambiente. Exemplos: redução do lixo, separação do lixo, diminuição da poluição, menos carros nas ruas, fiscalização intensa de fábricas, entre outras medidas.

Ir registrando as medidas em um computador ou fazer a produção em cartazes, colocando imagens e figuras pertinentes. 
Essa produção poderá ser exposta em sala ou pela escola, com etiquetas para a nomeação das produções. 

Fazer uma reportagem televisiva sobre o assunto. Os alunos devem produzir pequenos roteiros e, em duplas, apresentar ações para melhorar os impactos ao meio ambiente. Gravar a apresentação e apresentá-la às outras turmas da escola.

Avaliação:
Desenvolver um texto coletivo com a turma sobre o tema estudado.

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO:
Escola:  Escola municipal de ensino fundamental Enéias Hortêncio Silveira
Disciplina: Portugues
Ano: 4º  Turma: B

Conteúdo: Produção de texto e panfletos
Ano de ensino: 4º ano
Tema: A arte de estudar!

 

Plano de Aula de Português

Objetivo: 
Compreender a importância dos estudos e a organização pessoal para estudar.

Material
Folha sulfite, lápis, borracha, lápis de cor, canetinhas coloridas, papel cartaz, cola, tesoura.

Conhecimento prévio:
Produzir textos explicativos sobre o assunto abordado.

Atividade motivacional: 
Organizar a turma, em círculo, para uma primeira conversa sobre hábitos de estudos e sua importância. 
Perguntar: Qual a importância de estudar? É necessário e importante se organizar para estudar?

Encaminhamento metodológico: 
Depois da conversa, relatar que a arte de estudar envolve aspectos de curiosidade e atenção do aluno, portanto, para isso, é preciso que ocorra concentração somente nos estudos, sem que não aconteçam distrações. 
Se houver dúvidas enquanto estuda anotar para que possa consultar seu professor no dia seguinte. A curiosidade o auxiliará no processo de estudos, pois, ao mesmo tempo, o aluno pesquisa e vai além daquilo que foi pedido pelo professor. 
Ressaltar a importância do planejamento por parte do aluno, estabelecendo horários de estudo, lembrando que é importante fazer o intervalo, pois este se faz necessário ao um bom desempenho no estudo. Organizar os materiais necessários, escolhendo um lugar sossegado, silencioso, arejado e bem iluminado. 
Pedir para que os alunos relatem como organizam seus estudos em casa. Instigar para que percebam a importância da construção de esquemas e resumos de textos, anotações, pesquisas, ilustrações, estudos em grupo após o estudo individual, para troca de informações e de ponto de vista, como ferramenta de estudo. 

Organizar a turma, em duplas, para a produção de pequenos textos explicativos, sobre os hábitos de estudos e sua importância. 
Fazer os panfletos em papel-cartão (aproximadamente 15 cm por 10 cm). Os panfletos devem ser ilustrados e entregues a outros alunos de turmas diferentes.

 Avaliação:
Descreva no quadro abaixo quais são as suas práticas de estudo e que ações discutidas em sala você pretende utilizar como hábito de estudo:
Suas práticas Hábitos de estudo que pretendo colocar em prática


Qual é a função dos panfletos distribuídos pela turma?

 

Plano de Aula de História

Disciplina: História 
Conteúdo: Escola
Ano de ensino: 4º ano
Tema: A escola e o tempo

Objetivo: 
Identificar as diferenças existentes entre as escolas de antigamente e de hoje.

Material: 
Folha sulfite, lápis, borracha, imagens.

Conhecimento prévio:
Fazer relações entre as imagens apresentadas.

Atividade motivacional: 
Indagar: Como era a escola da avó e do avô de vocês?

Encaminhamento metodológico: 
Primeiramente, coloque algumas fotos no telão.

Fotos de algumas escolas do passado e hoje, com algumas mudanças.

Pedir que os alunos descrevam as diferenças entre as escolas de antigamente e as atuais. 
Citar três diferenças e três semelhanças entre as escolas visualizadas nas fotos.

Descreva para os alunos algumas diferenças encontradas nas escolas, como: a separação entre meninas e meninos, as tarefas decoradas pelos alunos, pois eram “tomados” pelos professores, os vendedores de doces e pipocas na frente da escola, meninas usavam saia como uniforme, etc. 
Pesquisar com funcionários da escola como era sua vida escolar quando crianças. Anotar e produzir um desenho em cartolina para expor na sala de aula.


Avaliação:
Escreva o que significa para você ir à escola. Em seguida, destaque as mudanças que ocorreram entre a sua escola e a de alguém que você entrevistou.

 

2.2 – Descrição das cinco atividades

A primeira atividade aplicada foi matemática, onde foi confeccionado cartões 7x10cm, com algarismos diferentes e foi distribuído para cada dupla de alunos, 3 cartões numerados e com números diferentes e mais cartões 12 cartões em branco para que os mesmo pudessem escrever os números que eles fossem encontrando com as combinações.

Foram distribuídos os cartões e pedido que as crianças montassem números de dois ou três algarismos sem repeti-los, (era sabido que elas só poderiam chegar a 12 no máximo) e anotassem cada um deles em um cartão em branco. Ocorreu que as crianças começaram as combinações pelos números de dois algarismos e depois pararam, achando que as chances estavam esgotadas.

Na segunda fase foi entre um cartão com dois algarismos (45) e em seguida entregue outro cartão com um algarismo (6) e pedido que eles colocassem esse ultimo algarismo numa posição em que eles obtivessem o numero maior.

Já na segunda atividade fomos às compras, montamos um brechó na sala e colocamos os alunos como vendedores e como compradores. Distribuímos dinheiro de brincadeira e eles fizeram todo o exercício: comprando, vendendo, passando troco, vendo o que  sobrava do que já tinham comprado devolviam algumas mercadorias para que o dinheiro desse pra comprar outro objeto etc.

Nas atividades de Historia falamos de como eram as escolas antigamente, mostrando fotos e falando do regimento como era e fizemos um paralelo entre as escolas antigas e as atuais. Depois pedimos que as crianças descrevessem as diferenças entre as escolas de antigamente e as atuais, citando três diferenças entre as escolas visualizadas nas fotos.

Em geografia abordamos a questão da agressão ao meio ambiente pela ação do homem, levando as crianças a pensarem sobre o destino do lixo, sobre que medidas podemos utilizar para amenizar os impactos ao meio ambiente. Exemplos: redução do lixo, separação do lixo, diminuição da poluição, menos carros nas ruas, fiscalização intensa de fábricas, entre outras medidas. Foram registrado tudo em computador e depois resumido e montado uma filmagem sobre todos as ações das crianças.

Já em ciências levamos a todos a compreender a organização funcional do meio ambiente, caracterizando os componentes da natureza e analisando a diferença entre seres vivos e seres não vivos. Usamos projeção em vídeo do filme: "Natureza e Vida", que foi utilizado para iniciar a discussão sobre conceito de meio ambiente que cada aluno possui;
•dividiu-se a turma em 6 grupos, onde cada grupo ficou responsável por abordar um dos componentes da natureza (ar, água, solo, luz do sol, plantas e animais) explicando sua importância na vida dos seres vivos.
•Desenharam o meio ambiente em que cada um vive;
•Exposição de cartazes elaborados pelos alunos retratando os seres vivos e não vivos;
•Proposição de exercício no livro didático;
•Para encerrar foram feita uma revisão de tudo o que foi discutido e visto nesta aula.


2.3 – Descrição da reação e participação dos alunos.

Como já sou bastante conhecido de todos os alunos que que sou uma pessoa publica não fui novidade para os mesmo, todavia no que tange a questão da minha pessoa aplicar atividades para eles isso sim já foi uma novidade e quando a professora me apresentou e disse que eu iria uns dias ali com eles aplicando atividades abriu-se na face de cada um muito alegria isso ficou visível, pois eu senti que ali eles pensaram: “agora vamos ver coisas novas, não as mesmas coisas de sempre”, e teve um momento em que eles estavam muito agitado foi quando eu falei que se eles não prestassem atenção da explicação da terceira atividade eu iria devolver os trabalhos para a “tia Rosáuria”, foi que todos pediram por favor não! Então fizeram silencio e eu pude explicar a terceira e ultima atividade do dia.

Senti que gostaram muito das atividades aplicadas e pediam o tempo todo pra mim voltar nos dias seguintes. Todos participaram bem apenas uns dois ou três que ficaram meio que de fora, porem, é crianças que eu mesmo já conheço e sei que tem problemas em casa.

Mas num modo geral foram muito participativos nas atividades pena que o tempo foi pouco, pois eles queriam mais e mais participar, senti ali falta de mais monitores e espaço, pois teria sido ótimo se tivesse mais espaço e mais monitores para poder acompanhar a todos e deixar que todos participassem o tempo que quisessem. Foi Ótimo.

 

 

 

2.4 – Descrição da reação do professor regente

            Percebi, que a professora gostou muito e na hora de intervir, quantos aos mais danadinhos ela intervia e isso foi positivo, e pude escutar quando ela falou pra coordenadora na porta da sala que as atividades tinham sido riquíssimas e que ainda tinha tido alunos que não havia sabido aproveitar, mas na realidade ela estava falando de um e outro que na maioria não poarticipav.

 

2.5 – Descrições da participação da equipe ao aplicar as atividades

                        Quando se começa as atividades é impossível não participar uma vez que a própria energia das crianças nos energiza. Houve bastante doação na aplicação das atividades.

 

2.6 – Auto avaliação da equipe durante o estágio.

           Considerou-se uma ótima atuação nas atividades uma vez que tudo foi preparado com antecedência e carinho. Portanto, foi tudo muito bom, houve, domínio de class e e de conteúdo. As crianças obedeceram sempre mesmo tendo uma vez e outra a interferência da professora com relação os mais danadinhos como já falei. o resto foi tudo tranquilo.

 

3 – CONSIDERAÇÕES FINAIS.

Após, terminado o estágio, fiz uma reflexão do que vivenciei durante o mesmo, Percebi então o quanto foi válido e produtivo, apesar de alguns empecilhos, tais como: pouco tempo disponível, insegurança frente a esse desafio, receio de incomodar nas escolas, perturbando a organização da rotina escolar e grande demanda de estagiários.

            No meu caso não tive maiores problemas, pois de certa forma já estou inserido no contexto escolar, onde realizei já o estágio supervisionado de docência.

            Sinto que a cada estágio que realizo, adquiro novos conhecimentos, vejo que a educação é algo vivo, palpitante e também em constante mudança e evolução.

            Percebe-se também a grande responsabilidade que tem um professor.  Ele têm, sem dúvida, uma influência direta sobre seus alunos, a partir de suas atitudes, crenças religiosas e políticas. Essas influências, algumas vezes podem acontecer sem que o professor perceba.

             Como já havia experiências de outros estágios na Educação Infantil, pude constatar a mudança que acontece, quando as crianças ingressam nos outros anos. Elas saem de um contexto, em que estavam mais livres, podiam brincar deitar e rolar, literalmente, para ficarem por várias horas sentadas, em uma cadeira desconfortável, geralmente em fila,( não é o caso da escola em que estagiei, já que estes ficam em semicírculo) entre quatro paredes, enquanto lá fora, o sol brilha, os passarinhos cantam, a vida acontece. Para uma criança de seis a 12 anos isso não deve ser fácil.

            Acredito que mudanças já estejam ocorrendo, no sentido de mudar este sistema.

            O professor deve ter sensibilidade e, sobretudo, conhecimento e amparo para educar e não simplesmente domesticar a criança, ensinar sim, mas sem “podar”, sua alegria e  energia e sua necessidade  de movimento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4 – BIBLIOGRAFIA

http://search.babylon.com/web/www%20portaldoprofessor.mec.gov.br?babsrc=SP_ss&affID=18401&mntrId=148affa7000000000000e091534b6eae. Acesso em 19/11/11.

 

http://www.artigonal.com/educacao-artigos/a-pratica-do-estagio-supervisionado-740821.html, acesso em 20/11/11.

 

http://revistaescola.abril.com.br/. Acesso em 22/11/11.

 

TORRES, Rosa Maria. Discurso e Prática em Educação Popular, Ijuí RS: UNIJUÌ,

Ed.1988,

 

 

FEILL, Iselda Teresinha Sausen. Alfabetização - Um desafio novo para um novo tempo. Ijuí RS: VOZES/FIDENE, Ed.1987.

 

 

FREIRE, Paulo; NOGUEIRA, Adriano. Que Fazer, Teoria e prática em educação popular, Petrópolis RJ: Vozes, Ed. 1989.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5 – ANEXO

5.1 – Roteiro de entrevistas

 

01 – Nome do entrevistado (a):

Tereza Dayane Lopes Sousa

02 – Formação profissional?

Cursando Pedagogia, Cursos Técnicos direcionados a Tecnologias e informação

03 – Tempo que atua na profissão?

2 anos

04 – Quais as principais dificuldades enfrentadas pela profissão?

Desinteresse familiar, grande demanda em sala de aula por profissional.

05 – Vantagens do profissional da educação infantil?

Fazer parte de uma formação de uma vida de aluno.

06 – Você acredita que o seu trabalho favorece o desenvolvimento integral da criança?

 Justifique sua resposta?

Sim. Somos muito ligados a ele, mesmo a família estando em falta fazemos o papel de pai e mãe

07 – Você utiliza o lúdico na sua prática pedagógica? Caso seja afirmada justifique sua resposta.

Sim. Pois acredito que quando usamos esses recurso chama muito atenção e contribuir ainda mais para o aprendizado do mesmo

08 – A escolas desenvolve algumas atividades que favoreça a autonomia da criança? Quais?

Sim. Trabalhamos projetos, mesmo sendo crianças do primeiro ano procuramos aproveitar o máximo da participação deles e conhecimento prévio dos mesmo.

09 – Você considera a brincadeira uma atividade importante para o desenvolvimento da criança? Justifique sua resposta.

Sim. Pois cabe a criança o estudo e o brincar e é  a partir disto que a criança desenvolve todo o seu potencial.

10 –  De que forma é realizado o planejamento na escola?

É realizado mensamente.

11 –  O que te levou a ser professor?

Eu sempre gostei de crianças e foi a partir do momento que pisei em sala de aula que pode ver que de fato é a minha paixão e que não quero mais sair é realmente a minha vocação motivo pelo qual estou realmente cada dia me profissionalizando mais e mais

12 –  Antes de você começar a dar aulas, o que você pensava sobre a docência? E o que você pensa sobre ela hoje?

Antes pensava que seria algo fácil, mas agora vejo que é muito complicado e que é preciso ter muita paciência e responsabilidade. Pois estamos lidando com situações que ira determinar o futuro de um individuo onde ele poderá ser alguém positivo na vida ou negativo isto é precisamos saber o momento de intervir e como intervir para que não façamos nada que possa vir a prejudicar o desenvolvimento desta criança

13 –  você tem alguma preferencia por ensina alunos de ensino fundamental ou médio?

Com certeza  fundamental, já que trabalhei com adultos no Eja e mesmo não sabendo ler dar pra observar que trabalhar com crianças é bem mais satisfatório já que esta estar sempre nos recompensando com os seus carinhos e  não existe maldade na mente das crianças

14 –  Como você enxerga o aluno?

Como ser pensante que já trás de casa uma bagagem e o que se faz necessário é coloquemos em pratica o que eles já tem.

15 –  Como você se vê como professor(a)?

Batalhando pelo aluno, pelo o seu melhor e tentando me policiar sempre pra dar o melhor de mim

16 –  Qual é a imagem que você acha que os alunos tem de você?

A tia deles, como uma pessoa que eles podem contar e confiar.

17 –  De que forma você faz diagnostico de alunos dentro da sala de aula?

Observando e acompanhando diariamente a organização e comportamento dentre outras questões de cada um e na descoberta de algo estar esclarecendo ao pais para que estes tomem as devidas providencias a fim de ser diagnosticado o  real problema.

18 – De que forma a disparidade de aprendizado de alunos influencia nas suas decisões didáticas?

É muito complicado, uma vez que, cada aluno tem seu tempo de aprender e suas forma de aprender e nos como profissionais devemos ensinar da forma que este pode aprender e não da forma que queremos ensinar, desta forma procuramos nos adaptar as diferentes situações.

19 – Como você lida com os diferentes níveis de interesse dos alunos?

Buscar o interesses deles em algo que chame sua atenção

20 –  Há uma tentativa de recuperação desses alunos?

Sim, fazemos recuperação na forma de conteúdos e procurando ver se estes não serão prejudicados na series futuras.

21 – Você lança mão de método alternativo para efetua esta recuperação?

Sim. Pois às vezes o aluno estar muito nervoso a ponto de não render numa avaliação, no entanto quando sentamos e conversamos com este sobre o determinado assunto observamos que o mesmo responde a todos os quesitos cobrados sabemos que ele sabe.

22 – Você usa recursos multimídia! Você acredita que estes recursos auxiliam a exposição das aulas?

Sim. Com certeza esses recursos, auxiliam e muito no desenvolvimento cognitivo das crianças mesmo porque são dispositivos que realmente chamam a atenção da criança.

 

Roteiro para entrevista com o coordenador ou gestor escolas.

01 - Nome do entrevistado(a):

 02 -Formação profissional:

 03 - Qual o papel do coordenador ou gestor numa instituição de educação infantil?

 04 - Quais as dificuldades encontradas no exercício da função?

05 -  A escola possui PPP e proposta Pedagógica?

 06 - Como é realizado o planejamento na escola?

07 - Como foi elaborada a proposta pedagógica da escola?

08 – Por onde se deve começar um bom planejamento?

09 – qual a necessidade de um coordenador dentro da escola?

10 – É possível realizar um processo de ensino e aprendizagem sem planejar? Justifique.

11 – Em alguns contextos, o planejamento ainda é encarado como um instrumento de controle?

12 – Qual a relação entre o planejamento e o Projeto Político Pedagógico?

13 –É possível fazer um planejamento sem conhecer o Projeto Politico Pedagógico da escola? Justifique.

14 – Como evitar que o tempo dedicado ao planejamento anual não seja desperdiçado?

15 – Com que frequência as ações do planejamento anual devem ser revistos pela equipe.

16 – Existe algum momento que deve ser planejado com mais cuidado?

 

Ficha de observação diária.

Estagiário(a):                                                                                       Data:

Turma e/ou disciplina:

Algo que acontece de extraordinário (Registro de ocorrências durante a observações desenvolvida pelo(a) estagiário(a):

 

01-   Introdução das atividades.

02-   Desenvolvimento do conteúdo.

03-   Postura do decente.

04-  Técnicas e Recursos utilizados:

05-   Reação dos alunos.

06-   Avaliação dos trabalhos desenvolvidos nas aulas.

 

5.2 – Outros documentos que queriam incluir no anexo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

|

Comentarios

Comentários a este artigo no RSS

Comentarios recientes

Cerrar